VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Translate

16 de jun de 2016

Haddad tira de mendigos cobertores doados por igrejas


Haddad tira de mendigos cobertores doados por igrejas

Guardas-civis aplicaram “política higienista' da Prefeitura
Haddad tira de mendigos cobertores doados por igrejas

Após cinco mortes suspeitas de moradores de rua por causa do frio na última semana, voluntários que trabalham com as pessoas que vivem nas ruas denunciaram que a GCM (Guarda Civil Metropolitana) está retirando cobertores, colchões e até pedaços de papelão que eles utilizam para se proteger do frio.As medidas determinadas pelo prefeito de São Paulo, Fernando Hadadd (PT) tem causado revolta na população de rua da maior cidade do Brasil. Ele se defende dizendo que não há “proibição expressa de recolher” pertences pessoais das pessoas sem teto, mas confirma ter dado a orientação de “não deixar favelizar praças públicas”.

A decisão de implantar uma política “higienista” são denunciadas pela Pastoral do Povo de Rua de São Paulo. Os funcionários da prefeitura realizam operações de zeladoria, conhecidas popularmente como “rapa”.
Eles chegam e recolhem tudo que encontram, jogando posteriormente no lixo. Isso revolta as pessoas que já tem muito pouco para chamar de seu, pois as expõe ainda mais ao frio recorde que a cidade está experimentando.
Para o padre Júlio Lancellotti, coordenador da Pastoral do Povo de Rua, isso é revoltante. “Eles têm retirado cobertores, colchões e o resto que essa população tem para se proteger do frio. O argumento que eles dão é que estão fazendo ‘limpeza pública’”, critica.
Parte dessas mantas foi doada pela igreja. A Arquidiocese de São Paulo cobra providências urgentes. Em nota, expressou “profunda tristeza e preocupação pelos quatro moradores de rua que morreram nas noites da semana em que a cidade Paulo enfrentou uma forte onda de frio”. Afirmou ainda que “o ‘problema dos pobres’ desafia toda a cidade de São Paulo a se mostrar acolhedora e sensível diante das necessidades do próximo”.
Além disso, o Convento São Francisco, no cento da capital, comunicou que está abrindo suas portas à noite para receber moradores de rua durante o inverno. Com a possibilidade do frio incomum que atingiu a cidade faça mais vítimas durante a madrugada, eles acomodaram mais de 60 camas com cobertores.
O convento vai oferecer uma refeição quente, banho e corte de cabelo para os que desejarem. Pelo Facebook, está fazendo uma campanha para arrecadação de alimentos, produtos de higiene pessoal e roupas que serão doados aos sem teto. Com informações Diário de SP e Razões para acreditar.
Nota do autor:
           Nesta ocasião existem duas coisas à se pensar:
1-) Ajudar os moradores de Rua
2-) Ajudando os moradores de Rua, como fica a cidade?
      No caso 1-) Ajudando os moradores de Rua:
Realmente é dever de todos ajudar ao próximo, haja visto que o governo não faz a sua parte é claro, pois isso é um problema público, responsabilidade do Governo abrigar e manter a população com o minimo de dignidade, pois é direito do povo adquirido em  1948, " vejam essas matérias; O que é direito a moradia", " Direito a saúde ", até mesmo para se inteirarem do assunto.
É necessário e faz bem ao ser humano ajudar, é uma forma de realização pessoal, se bem que hoje muitos nem tem isso como meta mais, realização pessoal hoje é carro, casa, jóias, status, ou seja bens e mais bens. Mas traz ao coração uma satisfação inigualável, um sentimento que poucos podem e desejam desfrutar.
      No caso 2-) Ajudando os moradores de Rua, como fica a cidade?
O problema é que queremos tapar o sol com a peneira. Entregar um cobertor não muda a vida da pessoa e nem resolve o seu problema. O problema do morador de rua é que ele não tem moradia ou abrigo, então resolver o problema está longe de entregar cobertor e sopas. A luta deve ser contra o problema e não contra a situação atual da pessoal.
Realmente se você perceber e for analisar friamente, o fato de entregar cobertor e a pessoa continua nas ruas, vejam bem:
Eles dormem a noite aquecidos, mas de manha o que fazem com o que foi doado na noite anterior? Se eles não tem abrigo, onde guardam seus pertences???
Com essa atitude criamos um novo problema para eles. "Vejam bem, não estou dizendo que não se deve doar o que eles precisam hein, vão sair falando que eu sou contra ajudar", não , só que realmente como fica a cidade?
         No meu ponto de vista, estamos apenas tapando o sol com a peneira, e assim criando outros problemas....
by. Pr. Jeferson L. Silva

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Graça e Paz!
Seja muito bem vindo, comente com moderação e respeito, o espaço está aberto para todos, evite palavras indecorosas e respeite a opinião dos demais comentaristas!!!